Notícias

Balança comercial tem pior resultado para meses de fevereiro

2 de março de 2015

As importações superaram as vendas externas, resultando em déficit da balança comercial brasileira, em US$ 2,84 bilhões em fevereiro, informou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) nesta segunda-feira (2). Trata-se do pior resultado para meses de fevereiro desde o início da série histórica, em 1995, ou seja, em 21 anos. Em fevereiro de 2014, a balança comercial registrou saldo negativo de US$ 2,12 bilhões.

Segundo o governo, as vendas ao exterior somaram US$ 12,09 bilhões em fevereiro e, com isso, tiveram uma queda de 15,7% sobre fevereiro de 2014. No mês passado, as três categorias de produtos tiveram retração de vendas externas. As exportações de produtos manufaturados recuaram 11,1%, enquanto as vendas de básicos e semimanufaturados tiveram queda de 22,7% e de 2,3% nesta comparação.

Ao mesmo tempo, ainda segundo o ministério, as importações somaram US$ 14,93 bilhões em fevereiro e tiveram recuo de 8,1% sobres o mesmo mês do ano passado. As compras do exterior de combustíveis e lubrificantes recuaram 20,3% sobre fevereiro de 2014. Já as importações de bens de consumo, matérias-primas e de bens de capital caíram 6,8%, 3% e 8%, respectivamente.

De acordo com o diretor de Estatística e Apoio à Exportação do Ministério do Desenvolvimento, Herlon Brandão, a piora da balança comercial, em fevereiro, está relacionada com o baixo preço das “commodities” – produtos básicos com cotação internacional, como minério de ferro e petróleo – e também com a antecipação das vendas externas de soja no começo do ano passado. “Nesse ano, a safra está sendo colhida um pouco mais tarde”, declarou ele.

Movimento dos caminhoneiros
Para Brandão, do MDIC, a manifestação de caminhoneiros nas estradas pode ter tido impacto nas exportações na última semana de fevereiro, quando as vendas externas ficaram abaixo do restante do mês passado. Entretanto, o efeito teria sido “pequeno”, segundo ele, e “não foi sentido no agregado [das exportações]”. “Ainda é cedo para se dizer qualquer coisa. Pode ter relação [nas exportações no fim de fevereiro], mas não se pode afirmar com certeza. Tem muitas mercadorias que dependem em menor medida do modal rodoviário, como aviões, minério de ferro e petróleo”, declarou ele.